Conheça as ações da Avon para melhora do clima organizacional

Reconhecida por empoderar mulheres por meio do complemento de renda e até permitindo que trabalhem e cuidem dos filhos, a Avon queria mais e decidiu aplicar um conceito mais amplo da multiplicidade social. Há um ano e meio direcionou seu olhar à questão racial e à comunidade LGBT e, com isso, criou programas para manter seus funcionários mais engajados. 

No primeiro momento, a marca fez a lição de casa e abordou o tema, encaminhando seus profissionais para participar de palestras e eventos externos. “A gente entende primeiro a dificuldade para só depois incluir”, explica Tatiana Sereno, diretora de Recursos Humanos da Avon.

Para aplicar o que foi aprendido, a instituição criou alguns programas como o Rede pela Diversidade, implantado em 2015, que conta com vinte associados que debatem temas dentro e fora da empresa. Os funcionários passaram a perceber que são realmente ouvidos, explica Sereno. O segredo para o sucesso foi começar engajando líderes de diversos setores, completa a profissional. A empresa também conta com o Programa de Estágio e o Força de Venda, que busca engajar negros, mulheres e a comunidade LGBT na instituição.

Além disso, preocupados com a questão racial, a instituição começou a mapear a maneira de reter e atrair profissionais negros para a empresa. Com isso, foi criado o programa Raça no Campo, nele a empresa faz com que os funcionários e aqueles que participam de processos seletivos se sintam à vontade para se autodeclarar negro. E, também, promoveram mais negros em suas campanhas publicitárias. Com uma cota de 20% de negros, a Avon conseguiu engajar 32% desse grupo social em 2016.

“Muita gente veio nos procurar para ‘mudar’ sua cor. Antes elas se autodenominavam pardas, hoje, com essa comunicação mais intensa, o funcionário se sente à vontade para falar que, sim, é negro”

No mesmo ano, após perceber a presença nula de mulheres na manufatura, a instituição começou a tentar entender, por meio das próprias funcionárias, o motivo de não presenciarem mulheres naquele meio. Primeiro que a empresa não disponibilizava curso de empilhadeira para mulheres e, também, não havia vagas para esse grupo social. Logo a empresa fez parceria com o SENAI e proporcionou a elas certificações para se inserirem nesse tipo de trabalho. O resultado foi perceber que esse grupo se sentiu mais inserido na instituição.

Vânia do Rosário foi uma das alunas no curso de empilhadeira e conta que após essa ação, a sua autoestima ficou mais elevada, “eu pude ver que meu lugar é aonde eu quiser”.  O curso contou com 42 inscrições e 12 vagas. As mulheres terminaram em dezembro de 2016 e para as outras funcionárias – que não tiveram oportunidade de participar do primeiro módulo -, haverá inscrições em março.

Propaganda da Avon que ressalta a importância do respeito à diversidade

Papel do marketing

Não bastava ser porta-voz do tema para o público interno. Ciente de seu papel social, a Avon assumiu a missão de comunicar os valores da diversidade, empoderando seus clientes. Com frases como “a beleza é para todos”, a propaganda inseriu o debate em torno da aceitação em redes sociais e no dia a dia de muitos brasileiros.

Sempre se posicionando de forma direta, clara e verdadeira, “o marketing apoia a comunicação de que todos são bonitos dentro do seu grupo”, conta a diretora. Com a intensificação da comunicação externa, que atinge clientes e funcionários, os profissionais da empresa constataram que são “ouvidos” e “notados”.

Como resultado, a organização percebeu seus funcionários mais orgulhosos da marca. Tatiana narra que, depois de abordar a inclusão racial, colaboradores se sentiram melhores para se assumirem. “Muita gente veio nos procurando para ‘mudar’ sua cor. Antes elas se autodenominavam pardas, hoje, com essa comunicação mais intensa, o funcionário se sente à vontade para falar que, sim, é negro”, explica a diretora.

Além disso, os funcionários começaram a se tornar mais receptivos às diferenças impactando no clima organizacional. Tatiana Sereno ressalta que isso foi possível após muito planejamento: “Tudo o que temos desenhado, primeiro estudamos para depois passar ao funcionário. Tentamos envolvê-los para entender o lado deles”, conta Sereno. Com isso, a marca conseguiu se destacar no mercado e, em 2016, ganhou o prêmio da Revista Exame, como uma das melhores empresas para se trabalhar.


%d blogueiros gostam disto: